EM REDE

Cultura Maker, que prioriza prototipagem rápida, promove inovação em grandes empresas

24 de Fevereiro de 2017

Com a evolução das tecnologias de prototipagem rápida, como as impressoras 3D, e de plataformas eletrônicas, muita gente encontrou as ferramentas necessárias para criar e consertar os próprios objetos. Na cultura Maker a ideia é criar com as próprias mãos e os espaços dedicados ao tema possibilitam muita interação e colaboração entre pessoas, o que acaba promovendo inovação.

O interessante é que enquanto nas grades empresas, muitas vezes, o rigor impera, nos MakerSpaces e FabLabs, as pessoas costumam prototipar muito rápido, uma cultura que quando transferida para dentro de uma corporação possibilita novos caminhos para projetos.

E muitas corporações já estão experimentando. Neste movimento, as etapas tradicionais dentro do processo de inovação – pesquisar, escrever projeto e esperar a ideia estar fechada para fazer o protótipo – deixam de existir. A ideia é partir do protótipo, possibilitando vários ajustes ao longo do processo, sem precisar chegar ao fim para descobrir o resultado, o que também garante economia de recursos.