TENDÊNCIAS

Pesquisa de novos agentes de limpeza podem indicar caminhos de inovação na ciência do bem-estar

5 de novembro de 2014
Por muito tempo a água foi considerada o principal agente de limpeza para o homem. Entretanto, seu uso exclusivo se mostrou pouco eficiente para eliminar determinados tipos de resíduos, tais como óleos ou gorduras. A água sozinha não molha bem as superfícies com as quais está em contato, devido à sua alta tensão superficial. Assim, tornou-se necessário o desenvolvimento de novos ingredientes que, quando adicionados à água, diminuam a sua tensão superficial e propiciem uma maior interação com as superfícies a serem limpas.  Dentre esses ingredientes, os principais são os sabões e tensoativos, cujo desenvolvimento nos permitiu evoluir as práticas de limpeza e higiene pessoal.
 
O sabão e os detergentes
 
A detergência é a capacidade de remover de uma superfície um material indesejável (sujidade), seja ele sólido, líquido ou gasoso. Dentre as substâncias com essa característica, os sabões são as que estão há mais tempo em uso,  e sua principal característica estrutural é possuir  uma extremidade hidrofílica (que é atraída pela água) e uma longa cadeia carbônica hidrofóbica, ou seja, que não se solubiliza na água e é atraída pela sujeira.
 
Além dos sabões, também são usados como detergentes seus substitutos sintéticos, chamados genericamente de tensoativos.  Da mesma forma, estes compostos agem reduzindo a tensão superficial da água, permitindo que óleos e gorduras possam ser emulsionados e facilmente removidos das superfícies.
 
Outros agentes de limpeza para pele e cabelos – e em outras áreas
 
As formulações de limpeza para corpo e cabelos, como sabonetes e shampoos, em geral consistem em sabões ou sistemas de tensoativos em meio aquoso. Esses produtos promovem a retirada de materiais oleosos, proteínas, fuligem e particulados da pele, cabelo e couro cabeludo, através da formação de agregados micelares, reduzindo a adesão entre as “sujeiras” e estas superfícies.
 
Outros exemplos de processos de limpeza utilizados, em menor escala, para cuidados pessoais são shampoos em pó que, ao invés de limpar a partir do contato com a água, absorvem a oleosidade dos fios, deixando-os com aparência de limpos. Há também produtos que contém partículas abrasivas, tais como a sílica, que removem as células mortas da pele.
 
Considerando limpeza em um contexto mais amplo, podemos citar outros processos, tais como: utilização de ultrassom, solventes para lavagem a seco, aplicação de produtos alcalinos, como a soda cáustica,  produtos de ação sanitizante, como hipoclorito de sódio, utilização de microorganismos, e até mesmo limpeza da pele com auxílio de peixes ou uso de cerâmica na limpeza de roupas. Há também processos que não limpam, mas que alteram a superfície dos materiais impedindo a adesão da sujeira, como por exemplo os impermeabilizantes de tecidos.
 
Será que algum destes processos poderia ser aplicado à indústria cosmética? Você conhece outros métodos que podem ser usados na higiene pessoal?
 
Leia mais sobre o Desafio e envie sua ideia até 25 de novembro para participar do Desafio “Tecnologias de Limpeza para Cuidados Pessoais”!